OripeMachado

Tudo posso naquele que me guia

Textos


O retôrno de Jeniffer.


Após Jeniffer ser flagrada no super mercado roubando dois litros de leite.
O Sr. Joel, proprietário do pequeno mercado, após ofendê-la em todas as línguas que sabia, pegou as latas de leite e jogou no lixo.
Depois chamou os mão branca, (seguranças disfarçados de fregueses).
Uma sessão de tapas e pontapés, depois rua.
Seu caminho para casa foi difícil, saber que sua filhinha passaria fome.
Ao virar a esquina encontrou Tinão.
Tinão, para quem não conhece era bicho ruim.
Cadeeiro antigo, ladrão, traficante, enfim já fizera de tudo e pagara também, mas continuava fazendo.
-E aí neguinha, onde vai com tanta pressa?
Ah você é aquela que joga o cabelo pro negão né?
Ela a baixou a cabeça , e ao fazê-lo, viu em sua cintura o cabo das quadradas.
Pensou, se estou no inferno, beijo o capeta na boca.
Você sempre se mostrou interessado na neguinha aqui, é real?
-Sim preta tenho uma queda por você.
Bem tenho uma menina precisa de leite.
Cata duas latas para mim ali no mercadinho, depois agente conversa.
Tá... eu levo na sua casa. Dentro de uma hora Jeniffer fez de tudo que jurara não fazer.
Sua geladeira estava cheia e seu bebê dormia de barriga cheia.
Olhou até com simpatia para Tinão.
Queria te pedir mais uma coisa, hoje você salvou a vida de minha filha, mas eu quero fazer uma fita e preciso de uma quadrada emprestada por dez minutos, não mais que isto.
A arma tu leva, mas a responsa é tua tá?
Vou ali e já volto.
Foi ao mercado, o Sr. Joel já veio xingando, tomou um tapa na cara  quando pensou em revidar, encontrou a boca preta da quadrada na testa.
Vamo lá tigueis, vim fazer um empréstimo.
Pode pegar tudo menina, desculpe o mau entendido de hoje tá?
Falou, passa a grana.
Limpou o caixa, depois veio a ordem:
- Chama o mão branca, depressa porque tenho pouco tempo.
Assim que chegaram, foram levados ao fundo do estabelecimento.
Devidamente amarrados, apanharam de mangueira dágua, até mijar na calça.
Agora vocês vão pedir bença para a Neguinha que começou na função hoje.
Tigueis 20% da féria, é minha mande um moleque entregar toda a tarde .
Não preciso avisar que tem gente na parada.
Sozinha eu não teria coragem sabiam ne?
Eles sabiam com certeza ela estaria com algum grupo.
A partir daquele dia, foi vista com o Tinão e depois com outros , todos fortes nas drogas e roubos.
Daí para traficar, foi um palito.
Depois de um ano Jeniffer rodou em um roubo.
E foi para a cadeia.
Mas sua família, já tinha algumas mercearias, salões de beleza, e maquinas de jogos, instaladas por todo bairro.
Uma moça, mãe solteira que com certeza seria empregada domestica eternamente.
Por duas latas de leite, deu uma guinada na vida e ficou rica.
Curioso que outro dia passando por uma biqueira, eu a vi.
Quarentona já, mas muito bonita ainda, com dois rapazes destes tipos “free boys”, “garotos de aluguel”.
Ela tem futuro.
Oripê Machado.
Veneno de Cobra.
Oripê Machado
Enviado por Oripê Machado em 14/06/2013
Alterado em 14/06/2013


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras