OripeMachado

Tudo posso naquele que me guia

Textos

"Quando te conheci"
     “
Quando te conheci”.
Acho que nasci a dez mil anos atrás, como a musica.
Era a eterna briga pela sobrevivência.
Tinha medo de tudo.
A qualquer momento poderia servir a mesa de um predador qualquer.
E eu corria, me escondia, vivia o terror do dia a dia.
Quando escurecia com o céu cheio de raios e trovoes, procurava me imiscuir pelas fendas das pedras, até que achei uma caverna.
Ah! Eu era um Neandertal.
Quando conseguia caçar um roedor pequeno, era uma lauta refeição.
Porém deveria comer rápido, pois o cheiro de carne e sangue atrairia meus inimigos.
E eu corria e corria com muito medo.
Meu destino era ser fugitivo, correndo e escondendo de tudo e de todos.
Certo dia estava deitado entre ramagens e tentava beber um pouco d’água.
De relance eu a vi e já me preparava para correr, pois era um possível inimigo.
Enquanto me engatinhava para fugir dali nossos olhos se cruzaram.
Mesmo receoso senti uma alegria, pois não parecia um predador.
Pelo sim, pelo não saí correndo.
De longe eu a espreitei, você era diferente de tudo que eu havia visto.
Comecei a segui-la e vi que morava em uma pequena caverna.
Acostumei-me com você a ponto de descuidar de minha segurança.
Nessa época quem dorme morre e eu fatalmente morreria.
Pois enquanto a observava, apareceu um monstro com dentes enormes e.
Resolveu que eu seria seu almoço.
Acho que o medo travou meus músculos, realmente meu tempo havia terminado.




Não passava pelo meu diminuto cérebro, “corra ataque se defenda.”
Porém fui observado por ela também e num ato heróico com uma pequena clava atacou o monstro.
Acho que ele estava acostumado com pessoas passivas como eu.
Confuso parou o ataque.
Ela gritou comigo me fazendo acordar e fugi com ela para lugar desconhecido.
A partir daí começamos a caçar juntos.
Muito devagar comecei a copiar suas façanhas, até encarar os monstros locais com pedras e paus.
Desenvolvi armas rudimentares, mas para época tinham enorme efeito.
Com passar dos dias vi que sem ela minha vida seria muito curta.
Pelo instinto de sobrevivência resolvi fazer parceria.
Ela me ensinou muita coisa, até queimar a carne me explicando o porquê embora eu não entendesse.
Enfim chegou uma hora que éramos um casal e coabitamos.
Hoje que somos mais de quinze no grupo.
Vejo com felicidade que progredimos muito.
Graças a você, pois depois que te conheci é que comecei a viver.
Às vezes você se afasta para caçar e fico triste, pois estou acostumado demais para deixá-la caçar sozinha.
Mesmo com muito medo eu a acompanho e fazemos o abate de caças enormes.
Todos ficam felizes e até estão arrumando parceiras para formar casais que se ajudam.
Agora estamos velhos e nossos filhos caçam para nós
Fico feliz, pois minha vida mudou quando te conheci.
Oripê Machado.
Veneno de Cobra.(de pedra)
Oripê Machado
Enviado por Oripê Machado em 18/06/2014


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras